domingo, 13 de novembro de 2016

To Light a Thousand Lamps by Grace F. Knoche ( Preview).Copyright © by Theosophical University Press. ( TS PASADENA- US) All rights reserved.







The Daily Initiation

Every people has borne the sacred burden of the Divine in its deepest heart. How strange, with this wondrous heritage, that we should ever feel "widowed of the presence of the gods," as though the link with our divine source had become frayed, no longer assured. We are not the first civilization to feel lost and bewildered, nor will we be the last, but this does not mean there is no remedy. Help has always been within our grasp: to ally our whole being with the building energies of the universe and to refuse to strengthen by default — certainly never by design — the destructive forces that are ever alert to attack the irresolute soul. Still, we must persevere, for once we make the choice, all the "devils" in the underworld of our nature will seemingly be let loose to test the integrity of our resolve. The more in earnest we are, the more subtle and persistent the resistance — not instigated by others, but by our own higher self.

There is nothing mysterious about this. Probably everyone has had the experience that when we determine to alter our habitual ways of thinking, everything and everybody appear to conspire against us. This is inevitable, for intensity of aspiration challenges the gods who are "jealous" of us humans who venture unprepared into their domain. Only those who have become near to godlike may enter. And since the gods are in a profound sense ourselves, the response to our importunate demands may be a release upon us of an avalanche of unexpended karma from past lives. This could be shattering to the personal self, but not to the part of us that knows deep within that we have longed to be tested to the limit of our endurance.

William Q. Judge uses the cryptic phrase "karmic stamina" in connection with aspirants who may find themselves momentarily in "a psychic whirl, or a vortex of occultism" into which others also may be drawn, and where the "germs for good or ill ripen with activity." (Letters That Have Helped Me 1:20-1) The outcome will depend not only on our constancy of will and selflessness of motive, but also upon our reserve of moral and spiritual endurance, our inbuilt stamina. The word stamina — from the Latin for "warp, thread, fiber" — is fitting here, for the warp of lengthwise threads on a loom is usually of stouter twist than the weft, as it is the foundation on which the cross threads are woven. The daily encounters and interactions with others and the impingements of events upon us are all karma: the warp represents the outflowing of past experience, while our reactions, being of our choosing, are the weft carried by the shuttle of the soul as we weave our present and future on the warp of the past.

All is not hardship and trial. Our inner god may be a stern taskmaster, but it is infinitely just and therefore infinitely compassionate. To be sure, potency of aspiration germinates whatever seeds of inharmony we have sown, but equally does it quicken the seeds of nobility in the character so that we are inwardly sustained and encouraged. In truth, it may shed a flood of light upon our path. Such a resolve finds resonance in our inmost self, and as we return life after life it leads us on and on, to take up the charge anew. Every day, every year, every lifetime, we infuse the ancient resolve with fresh vigor. Katherine Tingley speaks eloquently to this in her Theosophy: The Path of the Mystic:

A vow is an action rising like a star high above the level of the common deeds of life. It is a witness that the outer man has at that moment realized its union with the inner, and the purpose of its existence, . . .

At that moment the radiant path of light is seen with the eye of pure vision, the disciple is reborn, the old life is left behind, he enters a new way. For a moment he feels the touch of a guiding hand ever stretched out to him from the inner chamber. For a moment his ear catches the harmonies of the soul.

All this and more is the experience of those who make this vow with their whole hearts, and as they constantly renew it, and constantly renew their endeavor, the harmonies come again and again, and the clear path is once more beheld.

. . . Each effort carves the path of the next, and in no long time one single moment's silence will bring forth to the disciple's aid the strength of his soul. — pp. 53-4

Such a vow is a knocking at the door of our higher self. If the knock is genuine, the illumination and strength that pour into us can become a transforming influence that may help us to intuit the higher self's intent for our ordinary self. When the motive to serve humanity is fortified by will, our life is taken in hand by our higher self, and we find we are led into situations that test us to the core so that we may prove our worth and the depth of our aspiration — not for self-benefit, but that we may bring light and inspiration to others.

The higher self is our real teacher, our inner buddha. This is a time-honored truth: it places responsibility for growth, for inner advancement, squarely on ourself. We have no one but ourself to blame for our fumbles, no one on whom to shift our burdens. We are our own awakener, our own savior, for we are the steps we must travel and the truth we so long to find. Yet few of us feel adequate to fulfill the demands of our dharma, or self-disciplined enough to meet with equanimity the impact of daily karma. Trust is the key: to trust karma is to trust ourselves and to trust that we have the inner resources to handle whatever befalls. Having made the choice to live mindfully, there can be no turning back. We are not required, however, to take more than one step at a time; this is our protection, for by meeting life's challenges one day at a time we gather strength and sufficient wisdom for the daily need.

Once we grasp the fact that we are the path before us, never again will we know that aching loneliness of despair, for we shall have come in touch, if ever so fleetingly, with our light-source. Should periods of despondency return, they need not take firm hold, for a part of us, having entered into companionship with our higher self, remains en rapport with the larger fraternity of the spirit that touches every aspirant on the path. In proportion as we allow our buddha-nature to illumine our ordinary self will the Tathagata-light, the Christos-sun, irradiate our being and the path ahead. Since we are one humanity, the lighted path of a single individual makes the path of all others that much clearer.

It is a truism that no one can live always on the heights. We are obliged to return to the valleys of daily experience where we still have lessons to learn. But the panorama seen from the heights, short-lived as it may have been, is our rod and staff. It takes courage to allow our higher self to lead us into those circumstances that will bring to fruition old karmic causes whose effects on ourselves and on others must now be met. However, once handled, they will be done with. If at times everything seems at cross-purposes, and every effort we make is countered by opposition, this is to be expected.

The choice we made to pursue the compassionate way is by its very nature and goal an upstream endeavor. It is not a simple thing to go against the current; it demands courage to persist year in and year out along a course that, even if we know deep down is the true path for us, may at times appear quite the contrary to our personal self. Yet when we reflect on it, we are warmed and strengthened by an inner affirmation that we couldn't have asked for a more magnificent opportunity. To be allowed by karma to aid, in however minor a degree, in the compassionate order of the universe: this is to be given a boon that the soul over many lifetimes has silently yearned for.

We learn early that every aspiration must be sustained by self-discipline. Today people are stretching their souls, longing to rise above their ordinary little selves and glimpse a vision of what is beyond and within. Many of us, however, are so filled with our own ideas of what life is all about that we are like the student who came to the Zen monk seeking knowledge. "Teach me, Roshi, what Zen is." The Zen master invited him to tea. He started pouring tea into the teacup, and he poured and poured and poured until the student could stand it no longer and almost shouted: "But the cup is full. Can't you see?" The Roshi quietly said: "That is what your mind is like. You are so filled with your own ideas and opinions that there is no room for even one drop of wisdom. Empty yourself, empty your mind of all your preconceptions, empty your heart and your soul of all unbecoming thoughts and feelings, and you will be filled to abundance."

All of us know what is unworthy of ourselves. Striving to gentle the untamed propensities in our character is a type of purgation, a purification we can go through every day. This is what Paul meant when he said to the people of Corinth, "I die daily" — day after day he sought to be "reborn" interiorly. This is the "daily initiation," of which W. Q. Judge spoke — life itself, with its manifold joys and sorrows. Both have their temptations and trials, good fortune so called being often more difficult to handle than are the day-by-day frustrations and disappointments. The constant demand upon us to choose between the greater and the less, the selfless and the self-centered, brings us face to face with ourselves.

It is a matter of getting back to first principles: we start from within, from our central self. What is our motive? We tend to think of initiation as far removed from everyday happenings, but every time we conquer a weakness, every time we have the courage to see ourselves as we are, we undergo the testing by our higher self of our lesser self; we are proving the mettle of our character. "Fire tests gold, adversity proves strong souls" wrote Seneca, 1st-century AD Roman statesman and philosopher. (Moral Essays, "On Providence," 5, 9) Any form of intense suffering, particularly when self-caused — through weakness of will, emotional instability, or being caught in a vortex of thought beneath our private inner standard — may become an initiatory experience. The word initiation means "beginning," the conscious turning of a new leaf in our Book of Life. To have penetrated the darkness of our individual hell and come up into the light of our radiant self, able to meet its demands, is a kind of initiation.

When we inwardly take a stand, we are forearmed for whatever comes; if we avoid doing so, when faced with really severe challenges we are unprepared to act responsibly. Using the wheel as a metaphor: by living in thought and aspiration as close as we can to the hub of our being, the turning wheel of karma will not crush us; but if we live on the rim or circumference of our lives, we are at risk of being ground down under the karmic wheel. This can and does happen more than is necessary; and it's a cruel thing to witness — and to experience. Nevertheless, we learn invaluable lessons in humility and compassion: not only do we gain immeasurably, but hopefully through it all we become sufficiently sensitized to help others see that if they ascend the radius of their being toward the hub of themselves, they will find guidance, strength, and a light upon their path. One of our noblest opportunities is to give confidence to our fellow humans that, no matter how fragile we may be or think we are, all of us have sufficient power to live our lives in an honorable, thoughtful, and self-disciplined way. We must allow our higher self to take charge of our life's destiny. Is there any greater gift one can offer than assuring another he has what it takes to handle his karma, with head high, regardless of how many times he may be knocked down? We are not alone in our struggles. Everyone has some cross to bear, some weakness of character to overcome; just so everyone has his or her strengths to build on. Simply put: if we have the fortitude to "hang in there" no matter how often we stumble or how far we fall, there is no failure, only triumph.

Copyright © by Theosophical University Press.  ( TS PASADENA- US) All rights reserved.



quinta-feira, 3 de novembro de 2016

Ricardo Maffia : A LUTA PARA SE CONQUISTAR UM DESTINO - Créditos Fotos : NASA



Coerencia - Algo para corajosos . A pessoa se garante nas adversidades. Muitos afirmam que fazem o bem porem este bem é proporcional ao seus interesses. Fazer o bem é por si só um ato de coragem , pois ao mesmo tempo em que se espera um retorno , há a necessidade de estar preparado para o retorno não se realizar. William James afirmou : todo o ser humano necessita ser reconhecido e isto é normal ; a não observancia dessas necessidades e/ou ignorá-las em um ato de suprimí-las conduz a pessoa à neuroses e alienações. Comprometa-se com seu objetivo e se não surgir aceitação ou surgir manipulações , chantagens mas se voce em seu compromisso em atingir seu objetivo não fizer dano a ninguem , ignore quem o julga. Cuide de sua vida muito bem e afaste-se de manipuladores que afirmam querer o seu bem, mesmo que através de atos que parecem o bem, com muito falatório inclusive.



O Desenvolvimento Pessoal nos dias atuais não restringe-se apenas às clássicas Competências e sim a muito mais. Para se  desenvolver as Competências há a necessidade de Avaliação de Competências. Muitas pessoas não se interessam por isso mas neste século é necessário esta avaliação e desenvolvimento. Um trabalho que exige : Conhecimento , Habilidades e Atitudes ; caso contrário os progressos serão apenas pontuais e alguns deles de forma precária. 


Seria a mesma coisa de se tomar um remédio para Transtornos de Ansiedade tendo como idéia que o mesmo resolverá os problemas decorrentes. O ser humano é complexo , o remédio fortalece mas quem tem que dar início à uma transformação importante é a própria pessoa. Isto aplica-se à espiritualidade , a mesma é vista como uma panacéia para tudo , na realidade são orientações que depende de Atitudes com , é claro , muito discernimento. Se não mudou é porque não aprendeu.
 
Existem muitas barreiras no subconsciente , independente de a pessoa ser bem sucedida em algumas áreas da vida e quando fatores externos convergem para a pessoa , alguns desses fatores poderão ser da natureza de complexos psíquicos que residem no subconsciente e o resultado será ações baseadas em impulsos que poderão continuar a comprometer áreas da vida pessoal. Da mesma forma ocorre quando há uma insatisfação conquanto à vida pessoal em relação à suas vivencias sociais; se a mesma é restrita , há o fenômeno de se identificar com temas espiritualistas distorcidos e em um processo inconsciente de fuga da realidade adotar-se atitudes ilusórias; não que não haja missões reais , porem não é como um atacadão e sim os exemplos reais é que atestarão a veracidade da conduta. Poucos querem algo realmente sério e saudável porque tudo o que é sério exige pensar , estudar , disciplina. A maioria tem preguiça esta é a verdade e falta algo básico como feedaback. A falta de iniciativa em pontos básicos , compromete a pessoa em questões de maior abrangência , assim sendo , por mais que se informe sobre regras espiritualistas de Desenvolvimento Pessoal não há progresso algum , repito , independente de realizações em algumas áreas da vida pois a real espiritualidade é abrangente. 

É importante vincular este processo a algo Superior e isto é particular. Não são as Forças e Inteligências Superiores que falham  e sim o modo de vida , com conflitos , sem foco que  fazem com que as vias de manifestação sejam bloqueadas. Muita ansiedade Tóxica cria dispersões e distorções e , assim sendo há uma retro-alimentação de um sistema. Um feedback que trará sempre os mesmos resultados. Tem que se quebrar os velhos Paradigmas e viver de vez uma coerência flexível com suas crenças superiores. Tudo o que foi escrito pelo ser humano tem lá suas limitações e o que importa é a essência da mensagem. Tem que ser dinâmico o processo. Um circuito aberto e com muita vida e dinamismo.



OS AVATARAS :
Hermes Trimegistus , Zoroastro , Confúcio , Platão , Moisés , Krishna , Sidarta Gautama , Maomé , Cristo.
Todos Eles trouxeram ensinamentos e mensagens que em essência são iguais. A apresentação e método que é diferente , alem do mais , seus discípulos pertenciam com Eles em Escolas Iniciáticas. Para o público em geral , seus ensinamentos eram quase que metáforas , porem e este é um porem importante , há momentos longos até em nossas vidas que temos que assimilar as metáforas e isso não é um Indicador de ser mais ou menos evoluído e sim , muito provavelmente é uma fase necessária para completar um processo importante e absolutamente pessoal. 


Um trecho de uma Carta : “Parece pouco a você que o ano anterior tenha sido empregado apenas em seus ‘deveres familiares’? Não; que melhor causa para recompensa, que melhor disciplina que o cumprimento do dever a cada hora e a cada dia? Creia-me, meu ‘aluno’, o homem ou a mulher que é colocado pelo Carma no meio de deveres, sacrifícios e amabilidades pequenos e definidos irá, através do fiel cumprimento deles, erguer-se à dimensão maior do Dever, do Sacrifício e da Caridade para com toda a humanidade. Que melhor caminho, para a iluminação buscada por você, que a vitória diária sobre o Eu, a perseverança apesar da ausência de progresso psíquico visível, o suportar da má-sorte com aquela serena resistência que a transforma em vantagem espiritual - já que o bem e o mal não podem ser medidos por acontecimentos no plano inferior ou físico? Não fique desencorajado porque sua prática cai abaixo das suas expectativas; no entanto, não se satisfaça apenas admitindo isso, já que você reconhece que sua tendência é com demasiada freqüência em direção à indolência mental e moral, inclinando-se mais a avançar à deriva com as correntes da vida que a definir seu próprio rumo direto. Seu progresso espiritual é maior do que você sabe ou pode compreender , e você faz bem em acreditar que este desenvolvimento é em si mesmo mais importante que a compreensão dele pela sua consciência do plano físico.” ( Mahatma Letters  M. and K.H. To A.P. Sinnett ) . 


 
Como tudo é Sistêmico , interligado , cada ação terá um feedback correspondente. Caso não haja uma percepção maior , uma crença profunda no ETERNO fechamos os Caminhos para a Providencia. 

 
Quando pessoas fazem contato com sua fonte profunda de Intenção, descobrem-se às voltas com eventos espantosamentes sincrônicos. A sincronicidade é estar aberto àquilo que deseja acontecer. Este estar aberto tem que ser acompanhado com uma profunda crença no ETERNO. Sincronicidades importantes ocorrem com poucas pessoas na proporção da população global , pois são poucos que realmente estão decididos coerentemente como resultado de uma auto-avaliação a princípio instintiva , para receberem o que necessitam não importando aqui neste texto a natureza da necessidade. 


Coragem , Audácia , Auto-respeito  


Ricardo Maffia



terça-feira, 25 de outubro de 2016

The Extraordinary Book : LETTERS THAT HAVE HELPED ME - William Q. Judge . Credits Art NASA



THEOSOPHICAL UNIVERSITY PRESS© ( PASADENA – US )

Dear Jasper:

There are so many questioners who ask about Chelaship that your letter comes quite apropos to experiences of my own. You say that these applicants must have some answer, and in that I agree with you. And whether they are ready or unready, we must be able to tell them something. But generally they are not ready, nor, indeed, are they willing to take the first simple step which is demanded. I will talk the matter over with you for your future guidance in replying to such questions; perhaps also to clear up my own mind.

The first question a man should ask himself (and by "man" we mean postulants of either sex) is: "When and how did I get a desire to know about chelaship and to become a chela?"; and secondly, "What is a chela, and what chelaship?"

There are many sorts of chelas. There are lay chelas and probationary ones; accepted chelas and those who are trying to fit themselves to be even lay chelas. Any person can constitute himself a lay chela, feeling sure that he may never in this life consciously hear from his guide. Then as to probationary chelas, there is an invariable rule that they go upon seven years' trial. These "trials" do not refer to fixed and stated tests, but to all the events of life and the bearing of the probationer in them. There is no place to which applicants can be referred where their request could be made, because these matters do not relate to places and to officials: this is an affair of the inner nature. We become chelas; we obtain that position in reality because our inner nature is to that extent opened that it can and will take knowledge: we receive the guerdon at the hands of the Law.

In a certain sense every sincere member of the Theosophical Society is in the way of becoming a chela, because the Masters do some of Their work with and for humanity through this Society, selected by Them as Their agent. And as all Their work and aspiration are to the end of helping the race, no one of Their chelas can hope to remain (or become) such, if any selfish desire for personal possessions of spiritual wealth constitutes the motive for trying to be a chela. Such a motive, in the case of one already a chela, acts instantly to throw him out of the ranks, whether he be aware of his loss or not, and in the case of one trying to become a chela it acts as a bar. Nor does a real chela spread the fact that he is such. For this Lodge is not like exoteric societies which depend upon favor or mere outward appearances. It is a real thing with living Spirit -- men at its head, governed by laws that contain within themselves their own executioners, and that do not require a tribunal, nor accusations, nor verdicts, nor any notice whatever.

As a general thing a person of European or American birth has extreme difficulty to contend with. He has no heredity of psychical development to call upon; no known assembly of Masters or Their chelas within reach. His racial difficulties prevent him from easily seeing within himself; he is not introspective by nature. But even he can do much if he purifies his motive, and either naturally possesses or cultivates an ardent and unshakeable faith and devotion. A faith that keeps him a firm believer in the existence of Masters even through years of non-intercourse. They are generous and honest debtors and always repay. How They repay, and when, is not for us to ask. Men may say that this requires as blind devotion as was ever asked by any Church. It does, but it is a blind devotion to Masters who are Truth itself; to Humanity and to yourself, to your own intuitions and ideals. This devotion to an ideal is also founded upon another thing, and that is that a man is hardly ready to be a chela unless he is able to stand alone and uninfluenced by other men or events, for he must stand alone, and he might as well know this at the beginning as at the end.

There are also certain qualifications which he must possess. These are to be found in Man: Fragments of Forgotten History towards the close of the book, so we will not dwell upon them here.

The question of the general fitness of applicants being disposed of, we come to the still more serious point of the relations of Guru and Chela, or Master and Disciple. We want to know what it really is to be a pupil of such a Teacher.

The relation of Guru and Chela is nothing if it is not a spiritual one. Whatever is merely outward, or formal, as the relation established by mere asking and acceptance, is not spiritual, but formal, and is that which arises between teacher and pupil. Yet even this latter is not in any way despicable, because the teacher stands to his pupil, in so far forth as the relation permits, in the same way as the Guru to his chela. It is a difference of degree, but this difference of degree is what constitutes the distinction between the spiritual and the material, for, passing along the different shadings from the grossest materiality to as far as we can go, we find at last that matter merges into spirit. (We are now speaking, of course, about what is commonly called matter, while we well know that in truth the thing thus designated is not really matter, but an enormous illusion which in itself has no existence. The real matter, called mulaprakriti by the Hindus, is an invisible thing or substance of which our matter is a representation. The real matter is what the Hermetists called primordial earth; a, for us, intangible phase of matter. We can easily come to believe that what is usually called matter is not really such, inasmuch as we find clairvoyants and nervous people seeing through thick walls and closed doors. Were this matter, then they could not see through it. But when an ordinary clairvoyant comes face to face with primordial matter, he or she cannot see beyond, but is met by a dead wall more dense than any wall ever built by human hands.)


THEOSOPHICAL UNIVERSITY PRESS© ( PASADENA – US )

sábado, 22 de outubro de 2016

Ricardo Maffia : The Higher Self



The Higher Self is the important principles in the sleeping consciences of every human being. Occasionally these principles into action. It is those moments when the Insight, Creative Intelligence, Understanding, Will Irresistible, Love and Brotherhood manifests itself most often unintentionally.

The goal of those in Path is active through reflections on their life experiences to realize a logic in everyday events and have the perception that there is something Infinite within. It is the Atma or the projection of the  Absolute in all of us. With this perception that gradually develops, the student intuits your life purpose, your Dharma. Life for him and a main reason for you to understand the question of his life and also the lives of others.

Feel a real sense that there is an interconnectedness of everything and everyone and that their actions affect everything and everyone in the proportion of strength and wisdom given to them. There will be ups and downs however gradually understand the ups and downs in your life and Try to correct them. Will enter the Path of responsibility and understanding and even more in the way of conscious action though with its ups and downs but for the better this understanding of variations in personal perceptions is the gradual manifestations of Buddhi, another attribute of the  Higher Self.

Thus, the student develops the Creative Intelligence (Manas) which will enable you to do things that will add value to your life and the lives of others.

St. Paul said that the human being consists of spirit, body and soul.
Spirit is the essence of the Absolute in all us. Soul , Self ( Jung) is precisely the higher principles asleep we refer
Higher Self. Body is our current personality that is tied to the Cross of Life and that when it enters the Path gradually the soul or higher self will begin to awaken.   

This will not happen without existential crises, which is normal because we enter into a new reality and conscious for a long time or not, because each of us has a personal biography will be held this existential connection and Cross will become a Shining Path. Well, I think so and do not mean I'm right. Each person has their truth that must be respected and valued. Unity in Diversity is.

Ricardo Maffia ( FTS - THEOSOPHICAL SOCIETY PASADENA - US )


Ricardo Maffia : A MUDANÇA QUANTICA DO SEU PASSADO, PRESENTE E FUTURO




William James certa vez afirmou : meu maior ato de livre - arbítrio foi acreditar no Livre- Arbítrio!! 

Apaguei as tuas transgressões como a névoa e os teus pecados, como a nuvem. Volta-te para mim, porque Eu te remi. ( Isaías 44:22). Notem esta afirmação : É puro Salto Quantico- Milagres quando há Expansão da Consciencia em um um pedido sincero.Novos Algorítimos inseridos pelo Sagrado na Vida Pessoal. O Sagrado em plena ação!

Os ensinamentos ou Tradições Iniciáticas passam por transformações , na realidade a essencia é a mesma porém a forma , os métodos tem que estar adaptados à realidade. Muito do que era denominado Oculto , hoje é real , concreto.

Inadmissivel ficar com velhas fórmulas à espera de resultados sendo que o gatilho ou start é dado pela Consciencia Ampliada.Isto relaciona-se com as Experiencias de Pico de A. Maslow.

Em uma visão mais abrangente , o passado , o presente e o futuro se mesclam pois a existencia é dinamica. A falta desta percepção é que conduz às pessoas à estados pessoais estamentais – servas de si mesmas.

Patanjali , o formulador da Raja Yoga , há séculos demonstrou uma atividade importante da Consciencia : O Samayana , que é a possibilidade da pessoa se identificar com o objeto observado e perceber e entender sua realidade. Hoje esta atividade está adaptada em muitos métodos de desenvolvimento pessoal e espiritual , como se fosse algo inédito , mas a falta da informação especializada é que gera este desencontro. O mesmo ocorre com as Visualizações; tudo , como por exemplo Tela Mental , Visualização Criativa teve origem em Patanjali e ele bebeu em outras fontes. Na realidade , nada é novo e sim o processo de mudança que deixa vir à tona de uma forma adaptada aos períodos do mundo , da civilização. Notamos isto na Kabbalah e nos Upanixades.

A Neuroplastia , termo da Neurociencia que aponta para a possibilidade de moldar , mudar o comportamento das células cerebrais; esta constatação , William James ( século XIX ) já havia intuido quando afirmou: se uma pessoa ter atitudes que representam o que ela deseja se tornar no futuro , ela realmente se transformará. Em Neuro-linguística , temos o termo Modelagem que em síntese é ter Atitudes semelhantes à pessoas que representam a condição que gostaríamos de ser. O divisor de águas é : Determinação.

Passado , Presente e Futuro à coexistir. Pelo prisma quantico de Niels Bohr ( 1885 – 1962 ) , Físico Dinamarques, que deu estrutura à Física Quantica , estas realidades coexistem e interagem entre si. Isto constatou-se através das observações matemáticas dos comportamentos das partículas subatomicas. 

Até a Física Quantica tão propalada atualmente , na realidade teve suas origens no início do século XX; hoje muitas afirmações da Física Quantica são observáveis em laboratórios e sendo assim , abre-se um leque de possibilidades infinitas para o ser humano. É o passado , que age no presente para alterar o futuro.

No passado , a visão do desenvolvimento humano era mecanicista , relacionada apenas à causas e efeitos. Atualmente , com a expansão de conhecimentos coletivos e portanto as informações integradas forçam as pessoas a ter uma percepção da realidade e de si mesmas de forma mais ampla , embora  muitos não conseguem perceber isto , há sem dúvida alguma a forte oportunidade de mudar , de transformar-se e isto é fato , já que por analogia , se a humanidade tem acesso à ferramentas de conhecimento que só eram reais em filmes de ficção , hoje , repito isto é realidade concreta que pode ser aplicada tanto para o crescimento como para a desconstrução e portanto o ser humano por analogia também tem as condições mais que necessárias para progredir, mudar , para melhor se assim o desejar. Uma questão de Livre Arbítrio.

Deixo então um paradoxo: Podemos ocasionar alterações quanticas das realidades do passado , do presente e do futuro-Agora.




Ricardo Maffia

sexta-feira, 21 de outubro de 2016

Ricardo Maffia : O ATUAL PROCESSO DE INICIAÇÃO PESSOAL E DA HUMANIDADE - Crédito Foto : NASA

 




As Tradições e verdadeiras Escolas Iniciáticas existem há séculos mas a Humanidade atualmente ingressa em uma nova fase de desenvolvimento espiritual.

A humanidade encontra-se em um verdadeiro processo Iniciático que impulsiona-a com toda força a novos patamares evolutivos.

Individualmente , todo ser humano pode tornar-se Iniciado independente de pertencer à uma linha de aprendizado formal , uma organização ou não , pois o processo atual tem por objetivo o estabelecimento do contato com as Inteligências Superiores à partir do Interior da própria  pessoa.

Fica claro que todos que se interessam por significados mais profundos da existência e interiormente estão alinhados a um propósito maior tem o Caminho aberto para a Iniciação.

Ao realizarmos uma leitura do mundo , notaremos que , apesar de coisas muito tristes que se fazem presentes , notaremos muitas indicações da própria Ciência e outras ações Culturais , associadas a movimentos honestos , em sua maioria , movimentos estes voltados ao bem estar do Planeta. Houve um impulso de Expansão da Consciência ao final da Segunda – Guerra Mundial.

Na década de 80 do século XX , surgiu o Movimento New Age , tendo como referencia a Convergência Harmônica.

À partir deste Movimento abriu-se um caminho para uma presença mais intensa de várias linhas místicas e nesta Dinâmica , percebe-se a integração das áreas da Psicologia , particularmente a Transpessoal , Ciência , Recursos Humanos em busca de uma União com a  Espiritualidade .

Atualmente se fala das gerações Y , Z ou Crianças Índigo , Cristal e esta classificação , está associada com novas abordagens pedagógicas apropriadas à estas gerações e às futuras.

Os Recursos Tecnológicos , quando inteligentemente aplicados , são ferramentas importantes para o Conhecimento.

No passado os sábios tinham muitas dificuldades para comunicarem suas idéias.

Imaginem um Shakspeare enviando uma carta , um Roger Bacon , Francis Bacon , um Freud , Jung , Einstein... as edições de Jornais que demoravam muito para chegar de outros países. Se retroagirmos mais ainda , havia a comunicação através de Tambores e Fumaça; mais recentemente o telégrafo , Fax.

O Salto na Consciência Planetária que evidenciou-se em 1875 um ano incomum , com o aparecimento de H.P.Blavatsky e seu trabalho , que se observarmos bem , era um trabalho visto como mistico naquela época e para quem está com sinapses bem ativas , este trabalho atualmente dá respostas para muito do que ocorre com a civilização e desvela-se mais que místico na acepção comum do termo. Só um exemplo : no Livro de H.P. Blavatsky , A Doutrina Secreta , há a teoria da formação de um Sistema Estelar , em nosso caso , Solar e esta teoria é a que é aceita atualmente pela NASA. Em outro ponto da obra , só mais um exemplo , há a afirmação da divisão do Átomo e que o Átomo não é um núcleo denso. Ora isto , foi descoberto anos após a primeira edição de A Doutrina Secreta. Neste período tivemos as Mahatma Letters M. and KH to A.P. Sinnett e estas futuras descobertas pela Ciência já foram antecipadas pelos Mahatmas que transmitiram as informações para H.P.Blavatsky. Estas cartas inspiraram não só á H.P.Blavatsky mas a Einstein e muitos outros cientistas. Estas Catas estão sob a guarda do Museu Britanico em Londres.

Ainda no século 19 vemos surgir também um trabalho formidável e poderoso de Eliphas Levy , Papus , Allan Kardek , Stanislas de Guaita , Philippe De Leon , MacGregor Mathers, William Wetscott. Grandes Mobilizadores do Espiritualismo Ocidental. O trabalhos destes foi de uma envergadura considerável , destacando-se suas atividades que estimulavam e estimulam até os dias atuais a ação , o Pragmatismo. Simplesmente eles saíram da especulação abstrata e determinaram atitudes práticas em relação à vida diária unindo-a com a espiritualidade.

Este Salto na Consciência Planetária , inevitavelmente faz com que haja progressos em muitas áreas da humanidade ao mesmo tempo que o que é ruim , oculto na psique individual e coletiva , surja. É o que vemos - uma ebulição na civilização com as aspectos bons e muitos ruins de forma intensa.

O que fica evidente ? No processo Iniciático , há gradualmente Expansão da Consciência e assim sendo , o Karma é acelerado e por consequência o que está latente e que é bom vem à tona na psique e vida pessoal e o que é ruim também ; fases necessárias para o Auto-conhecimento. Em uma outra proporção e contexto , o mesmo está ocorrendo com a humanidade e este é o ponto: Como a Humanidade está em um processo Iniciático em um Ciclo Menor , comparado ao Ciclo Pessoal dos que buscam , que é mais intenso , há simultaneamente um desenvolvimento da Expansão da Consciência de forma Sistêmica . Conclui-se que a Humanidade é um processo vivo de Iniciações , uma Escola de Iniciação e quem busca o Caminho tem esta Escola  ( a Humanidade ) para se desenvolver , na proporção do que tem em seu interior , porque tudo está Interconectado.

Atualmente não há como separar Oriente do Ocidente , pois é um todo integrado. Não cabe mais o pensamento preconceituoso muito comum em mentes sem Competencias como : minha linha de pensamento é a melhor. Atitudes como estas são sectárias.

Na medida que a pessoa se conscientiza em teoria e prática , a mesma atrairá a atenção de Inteligências Superiores para guiá-la , inspirá-la , mesmo que não se tenha a percepção destas Inteligências , porem estas Inteligências à inspirarão principalmente para perceber os Sinais de seu Eu Superior , que é o verdadeiro Mestre. A Busca pelo Mestre é a busca pelo Eu Superior. O Eu Superior desencadeará muitas Sincronicidades na medida do entendimento e compreensão da pessoa , para que a mesma , de forma pragmática entre em ação e reinvente-se e ao reinventar-se compartilhe.


Ricardo Maffia

terça-feira, 18 de outubro de 2016

Ricardo Maffia :A CONVICÇÃO DE UM DESTINO



                                                        
 

Todos temos sonhos , sonhos estes aparentemente irrealizáveis , mas por que ?

Porque trazemos muitas vezes fardos que não nos pertencem porem ensinaram-nos a aceitá-los e , assim sendo , carregamos estes fardos que nos boicotam , nos solapam , simplesmente porque afirmaram que é assim.

Quando se decide agir , estes fardos revoltam-se influenciando-nos de forma inconsciente , pois eles estão lá ,bem escondidos à espreita para agirem. Toda tentativa de crescimento encontra estas barreiras psicossomáticas. A pessoa começa e depois de algum tempo desiste. Atormentada por uma série de pensamentos caóticos que não são dela , mas estão nela. A pessoa , você , não tem culpa pois em idade mais nova enfiaram em sua cabeça que deveria ser assim.

O ser humano está aqui para Criar , Vencer , Realizar , Compartilhar , Auxiliar. As diferenças étnicas , culturais, economicas, não são nada , pois o ser humano é tudo isso e mais- o ser humano é um Filho de DEUS. Este não é um artigo religioso e sim de Religiosidade , do Sagrado.

Nós temos as condições de transformar os Sistemas Sociais para melhor. Nós temos as condições de erguermos a quem necessita ser erguido e também de nos soerguermos , de nos resgatar.

Resgatarmos nossa Dignidade Moral, nossos Valores Reais há muito perdidos.

Podemos dar um Novo Rumo em nossas vidas e nas vidas humanas. O que vale uma vida Humana? Atualmente quase nada , por omissão de vacilantes e frágeis seres humanos pseudos-políticos ou fracos e inconscientes representantes de um povo , com moral fraca. Vários seres humanos que Honram suas vidas , seu destinos criam políticos ou dão abertura a políticos melhores e assim é com todos os assuntos da vida.

Se a maioria de um povo tem culpa pela inconsciencia ou falta de cultura para escolhas melhores, a culpa  sim , a culpa é dos que sabem e são omissos , mas sabem o que ? Nada! É um Paradoxo porque quem sabe faz movimento , faz mudança.

Temos que Honrar nossas Vidas e o porque estarmos aqui , mesmo sem o por que não sabermos; o que importa é que aqui estamos e , claro  há de haver um porque para cada pessoa , ser humano , poderá descobrir de seu jeito se assim o desejar convictamente.

O seu Destino é a sua Convicção!

A sua Convicção o impulsiona para frente mesmo que Audaciosamente com medo , mas o impulsiona e você vencerá!

Honre-se! Decida-se apesar dos fardos , pois onde houver decisão convicta , há um Destino - Um Grande Destino!

 Ricardo Maffia