domingo, 12 de fevereiro de 2017

THE EXTRAORDINARY BOOK - THE MYSTERYS SCHOOLS by GRACE F. KNOCHE - Preview. Credits Art : NASA



Founding of the Brotherhood

by Thesosophical Society Pasadena (US)

Theosophical University Press©

Millions upon millions of years ago in the darkness of prehistory, humanity was an infant, a child of Mother Nature, unawakened, dreamlike, wrapped in the cloak of mental somnolence. Recognition of egoity slept; instinctual consciousness alone was active. Like a stream of brilliance across the horizon of time, divine beings, manasaputras, sons of mind, descended among the sleeping humans, and with the flame of intellectual solar fire lighted the wick of latent mind, and lo! the thinker stirred. Self-consciousness wakened, and man became a dynamo of intellectual and emotional power: capable of love, of hate, of glory, of defeat. Having knowledge, he acquired power; acquiring power, he chose; choosing, he fashioned the fabric of his future; and the perception of this ran like wine through his veins.

Knowledge, more knowledge, and still greater knowledge was required by the maturing humans who looked with gratitude to the godlike beings who had come to awaken them. For many millennia they followed their guidance, as children lovingly follow the footsteps of their mother.

As the ages rolled by, a circulation of divine instructors succeeded these primeval manasaputras and personally supervised the progress of child-humanity: they initiated them in the arts and sciences, taught them to sow their fields with corn and wheat, instructed them in the ways of clean and moral living — in short, established primeval schools of training and instruction open and free to all to learn of things material, intellectual, and spiritual. At this early period there were no Mystery colleges: the ancient wisdom was the common heirloom of all mankind, for as yet there had been no abuse of knowledge, and hence no need for schools kept hid and sacred from the world. Truth was freely given and as freely accepted in that golden age. (Cf. H. P. Blavatsky Collected Writings 14:248-9.)

The race was young; not all were adept in learning. Some through past experience in former world periods learned quickly and with ease, choosing intuitively the path of spiritual intellection; others, less awake, were good though wayward in progress; while a third class of humans, drugged with inertia, found learning and aspiring a burden and became laggards in the evolutionary procession. To them, spiritual apathy was preferable to spiritual exertion.

Mankind as a whole progressed rapidly in the acquisition of knowledge and its subsequent use. Some obviously wrought evil — others good. What had been latent spirituality now became active good and active evil. Suffering and pain became nature's most merciful method of restoring the heart to its primeval instinct, that of spiritual choice. As mind developed keener potentialities and the struggle for mental supremacy overcame the spiritual, the gift of intellect became a double-edged weapon: on the one hand, the bringer of spiritual awareness and undreamed of intellectual ecstasy; and on the other, the wielder of a weapon of destruction, of horror and, in the worst cases, of deliberate spiritual wickedness — diabolism. As H. P. Blavatsky wrote:

The mysteries of Heaven and Earth, revealed to the Third Race by their celestial teachers in the days of their purity, became a great focus of light, the rays from which became necessarily weakened as they were diffused and shed upon an uncongenial, because too material soil. With the masses they degenerated into Sorcery, taking later on the shape of exoteric religions, of idolatry full of superstitions, . . . — The Secret Doctrine 2:281

Nature is cyclical throughout: at one time fertile in spiritual things, at another barren. At this long-ago period of the third root-race, on the great continent of Lemuria, now submerged, the cycle was against spiritual progress. A great downward sweep was in force, when expansion of physical and material energies were accelerated with the consequent retardation and contraction of spiritual power. The humanities of that period were part of the general evolutionary current, and individuals reacted to the coarsening atmosphere according to their nature. Some resisted its down- ward influence through awakened spirituality; others, weaker in understanding, vacillated between spirit and matter, between good and evil: sometimes listening to the promptings of intuition, at other times submerged by the rushing waves of the downward current. Still others, in whom the spark of intellectual splendor burned low, plunged headlong downstream, unmindful of the turbulent and muddy waters.

As the downward cycle proceeded, knowledge of spiritual verities and living of the life in accordance with them became a dull and useless tool in human hearts and minds. Such folly was inevitable in the course of cosmic events, and all things were provided for. Just as there are many types of people — some spiritual, others material, some highly intelligent, others slow of thought — so are there various grades of beings throughout the universe, ranging from the mineral, through the vegetable, animal, and human kingdom, and beyond to the head and hierarch of our earth.

During these first millennia the spiritual head and guardian of the earth had been stimulating wherever possible the individual fires of active spirituality. Gradually as knowledge of divine things became abused by those strong in will but weak in morality, truth was increasingly veiled. The planetary watcher now felt the need of selecting a band of co-workers to act as bodyguard and protector of the ancient wisdom. Alone a handful of spiritually illumined human beings, in whom the divine fervor burned bright, acknowledged wholehearted allegiance to their planetary mentor — the spiritual hierarch of humanity. Through long ages certain individuals had been watched over and guided, strengthened and tested in innumerable ways, and those who passed the test of self-knowledge and self-sacrifice were gathered together to form the first association of spiritual-divine human beings — the Great Brotherhood. As G. de Purucker elaborates:

Then was formed or established or set in operation the gathering together of the very highest representatives, spiritually and intellectually speaking, that the human race as yet had given manifestation to; . . .

. . . the Silent Watcher of the Globe, through the spiritual-magnetic attraction of like to like, was enabled to attract to the Path of Light, even from the earliest times of the Third Root-Race, certain unusual human individuals, early forerunners of the general Manasaputric "descent," and thus to form with these individuals a Focus of Spiritual and Intellectual Light on Earth, this fact signifying not so much an association or society or brotherhood as a unity of human spiritual and intellectual Flames, so to speak, which then represented on Earth the heart of the Hierarchy of Compassion. . . . 





Now it was just this original focus of Living Flames, which never degenerated nor lost its high status of the mystic center on Earth through which poured the supernal glory of the Hierarchy of Compassion, today represented by the Great Brotherhood of the Mahatmans, . . . Thus it is that the Great Brotherhood traces an unbroken and uninterrupted ancestry back to the original focus of Light of the Third Root-Race. — The Esoteric Tradition 2:1048-9n

Hence the elder brothers of the race remain "the elect custodians of the Mysteries revealed to mankind by the divine Teachers . . . and tradition whispers, what the secret teachings affirm, namely, that these Elect were the germ of a Hierarchy which never died since that period" (Secret Doctrine 2:281) — since the foundation and establishment of the Great Brotherhood some 12 million years ago. From this center for millions of years have been streaming in continuous procession rays of light and strength into the world at large and, more specifically, into the hearts of those whose lives are dedicated to the service of truth. From this Fraternity have gone forth messengers, masters of wisdom, to inspire the grand religions of the past, and they will continue to send forth their envoys as long as mankind requires their care.

by Thesosophical Society Pasadena (US)

Theosophical University Press©




segunda-feira, 2 de janeiro de 2017

Ricardo Maffia : REVOLUÇÕES NA CONSCIENCIA PLANETÁRIA -AS CARTAS DOS MAHATMAS - O GATILHO ACIONADO PARA A EVOLUÇÃO HUMANA - Creditos Imagens : NASA






Os MAHATMAS são seres humanos que atingiram o nível da excelência em Desenvolvimento Integral.

O Incomum na Humanidade - abaixo escritos originais dos Mahatmas Morya e Koot Hoomi , escritos - cartas que estão no Museu Britanico.Sáo as caligrafias dos Mahatmas.*Cliquem sobre as imagens abaixo para uma melhor visualização.





Suas Cartas (Mahatma Letters M. and KH. To A.P. Sinnett – 1880 - 1884) que estão sob a guarda do Museu Britanico em Londres serviram de fonte de inspiração para muitos gênios  até os dias atuais e no futuro serão uma sinalização de uma lembrança do passado presente que se poderá mudar o futuro no presente. Segue abaixo nomes de pessoas que foram influenciadas por estas Cartas :

Robert Ducan , William Butler Yeats , Lewis Carroll , Kahlil Gibran, Sir Henry Rider Haggard , Alfred Russel Wallace , Jack London , T.S. Eliot , Henry Miller , Sir William Crookes , Thomas Alva Edison , Rupert Shaldrake , Camille Flammarion , Dr. Roberto Assaglioli , William James , Carl Gustav Jung , Ian Stevenson , Paul  Gauguin , Nicholas Roerich , Alex Grey , Piet Mondriaan , Cyril Scott , Benjamim Disraeli ,Gustav Mahler , Jean Sibelius , Elvis Presley , Ruth Crawford ,Alexander Scriabin , Florence Farr , Dana Ivey , Shirley MacLaine , Einstein , Henry Wallace , Jawaharla Nehru , George Lansbury , Mohandas K. Gandhi , Fritjoff Capra , Ken Wilber , Amit Goswami , Andrew Thomas , Fernando Pessoa , Antonio Zerrenner , Ângela Maria Là Salla Bata , J. K. Rowling , entre tantos outros.

As Cartas dos MAHATMAS escritas com suas próprias caligrafias , não obstante estarem no Museu Britancio são uma forte ligação magnética com a Consciência Planetária. Desde o surgimento dessas Cartas muita coisa no Mundo mudou e mudará.


A força magnética dessas Cartas influenciam o Inconsciente Coletivo de forma considerável e suas previsões escritas são gatilhos magnéticos que disparam modificações. A Ciência até o momento não consegue explicar como foram escritas pois a letras estão , por assim dizer , dentro do papel. Foram precipitadas , materializadas. Elas estão lá e quem tiver vontade , determinação e uma boa dose de persistência , poderá observar estas Cartas que estão na Sala dos Manuscritos do Museu Britânico, bem seguras. As mesmas não estão expostas ao público visitante.

Ocorre que o momento é que tudo parece ruir.Por que ? E o que as Cartas dos MAHATMAS ( Mestres de Sabedoria ) tem relação com o panorama Mundial ?

As Cartas dos MAHATMAS são algo emblemático com uma influencia ímpar. As mesmas testificam a realidade de seres que a Humanidade não entende.

Há o livre- arbítrio só que há ciclos de desenvolvimento mais intensos e todos os que estão alinhados de forma pró-ativa ao desenvolvimento humano , são colaboradores , mesmo que inconscientes de um Plano Maior que eles intuem existir.

Todos os que não estão alinhados com estes propósitos e são reativos, perceberão através de uma angústia significativa e de uma vivencia nada agradável o contra-fluxo de suas ações.

A Frequência de Ressonância da Terra ( cavidade ionosférica ) é de 7,5 ciclos por segundo , e que o micromovimento do corpo é de 6,8 Hz e 7,5Hz. O Sinal de nosso corpo propaga-se através do campo eletrostático em que estamos imersos em 1/7 segundos. Estamos no terreno da Física de Partículas ou Quântica neste parágrafo sem adicionar termos Transpessoais. Eu penso que esta seria a base para a teoria dos Campos Morfogenéticos , criada pelo biólogo Rupert Shaldrake. Esta é uma conclusão minha. Se refletirmos , chegaremos à conclusão ( para mim é fato) que apenas com a ressonância de nossos corpos físicos causamos modificações não só na Consciencia e Inconsciencia Planetária mas também na realidade física, não importando a que grau , sem adentrarmos aos aspectos transcendentes.

O que Os MAHATMAS estão à fazer : aumentaram o ciclos de ressonância da Terra de forma sazonal voluntária , ou seja , em momentos os ciclos estão a 7,5 por segundo , em outros momentos este ciclo aumenta. Os ciclos estão oscilando de forma proposital e quando os comprimentos de ondas ou partículas são observados , estas partículas mudam seu comportamento e retornam ao padrão. Isto confunde os observadores de forma proposital para não perceberem os planos em ação. Pela relação com nossos corpos físicos em ressonância , é natural que tudo entra em efervecencia , tanto no âmbito psicológico como nas ações no cotidiano e estende-se para todo o Planeta. No Caminho do Desenvolvimento Sistemico tudo isso é acelerado muito mais do que a intensidade que abrange a humanidade, inclusive o Tempo.



Uma força centrípeta age e exterioriza-se através de uma atividade centrífuga. Portanto , fica claro o porque de tantas mudanças abruptas em todos os reinos da natureza e nos padrões comportamentais do ser humano e de toda a  coletividade. Tudo começa a vir à tona. Do Caos Vem a Ordem

O CRISTO evidenciou os tempos atuais de forma histórica, alegórica , mística e mítica. A Consciencia Crística principia à nascer em muitos seres humanos na manjedoura de vidas , muitas vezes difíceis e/ou circunstancias difíceis. Os problemas que se apresentam para todos que estão neste processo de despertar da consciencia , na Bíblia é simbolizado por Herodes e portanto , os tempos atuais , não obstante em muitas áreas da vida serem angustiantes , são uma oportunidade e tanto para se perceber o Real Sentido da Vida. A Consciencia Crística se alinha com este empurrão cósmico e todos que assimilam sua realidade , tornam-se livres , realizam , se autosuperam e sistemicamente soerguem os que ainda não despertaram. CRISTO e os MAHATMAS formam uma realidade Cósmica presente na evolução humana.

E o que as Cartas dos MAHATMAS relacionam-se com isso? Estas Cartas são como os Lugares Sagrados no Planeta que entram em ressonância quando um gatilho é acionado. No caso , este gatilho foi acionado pelos MAHATMAS porque é chegado o momento , sem atitudes distorcidas messiânicas , momento este que a humanidade deve ter um empurrão para outros patamares evolutivos. Algo que será de forma gradual só que mais intenso. Já se percebe isso.

Se este artigo não tivesse coerência ( desculpem-me a falta de modéstia ) , não citaria no início do mesmo os nomes de algumas pessoas que fizeram a diferença na história recente de nossa civilização e que foram inspiradas pelo conteúdo das Cartas dos MAHATMAS.

Infelizmente muitos desvairados utilizam os nomes dos MAHATMAS com fins absolutamente pessoais e sem conhecer o propósito real dos MAHATMAS , ocasionando assim um pseudo-culto distorcido em nome deles. De qualquer forma até o lixo moral é reciclável e um caminho distorcido poderá, através da decepção , conduzir quem realmente busca à encontrar o Caminho Certo.

Os MAHATMAS são nossos Irmãos Mais Velhos e estão interessados na Humanidade independente de credos , pseudo-política , raça . Eles se interessam particularmente em quem quer Servir à Causa ou seja , acionar a Interdependencia , colaborar para o aperfeiçoamento do genero humano que , porem como são os Senhores da Compaixão estarão sempre prontos à estender as mãos aos necessitados não importando qual a natureza da necessidade desde que seja uma necessidade real e digna. Os MAHATMAS estão em linha direta com O CRISTO e outros Avatares.

E pensar que estas Cartas ( Mahatma Letters ) foram escritas no período entre 1880 – 1887. De fato, são Patrimônios Atemporais da Humanidade.



Ricardo Maffia
FTS - Theosophical Society Pasadena US

segunda-feira, 12 de dezembro de 2016

Ricardo Maffia :OS ATAQUES ASTRAIS - AS PROVAS DO DISCÍPULO e O CRISTO : A Verdade é Tudo o que dá Certo . Creditos Imagens : NASA

               

Quando a pessoa adentra ao Caminho Discipular a mesma tem sua sensibilidade aumentada. Na realidade muitos re-adentraram ao Caminho pois em outras existências já percorriam o mesmo. Este re-adentrar na realidade é uma redundância pois uma vez que se trilha o Caminho Discipular , isto torna-se parte da pessoa mesmo que em uma ou na atual reencarnação a mesma não tenha consciência deste fato , pois antes de sua nova vida , optou-se por vivenciar outras experiências para seu aperfeiçoamento sem necessariamente estar diretamente relacionado a assuntos do Caminho Discipular , porem em sua alma há a marca da Fraternidade Universal ou Grande Loja Branca.

ATENÇÃO : A pessoa que empregar o Pensamento Sistemico notará que este artigo se coaduna com o artigo imediatamente anterior neste Blog.

Se lerem Fritjoff Capra , Rupert Shaldrake , Amit Goswami , Einstein ,  notarão que há pontos em comum em suas obras com o artigo imediatamente anterior neste Blog. Há inspiração em fontes em comum como por exemplo:  as obras e Pensamento Sistemico de H.P. Blavatsky, Rudolf Steiner , Max Heindel , William Q. Judge ,  Kardek , Prentice Mulford , Lourenço Prado , adicionem a este processo a Bíblia , particularmente o Novo Testamento. O Cristo apontou como desenvolver nossas Competencias inspirados pelo Sagrado. O Novo Testamento é um verdadeiro Mapa para a Auto-realização e expansão pessoal e espiritual.


Continuemos ;

Este é um Caminho do Aprendizado acelerado em que em uma vida resgata-se muitos Dons e Habilidades. Um resgate do Destino e ao mesmo tempo probacionário pois assim sendo , através deste intenso processo a pessoa através das experiências descobrirá e desenvolverá habilidades fundamentais.Um estímulo considerável a ser Pró-ativo.

Os Ataques Astrais começam neste ponto. O conjunto áurico da pessoa vibra intensamente e atrai forças positivas e também negativas , forças estas desvirtuadas que utilizam-se de pessoas fracas de vontade como instrumentos para provocarem situações que possam tirar o Discípulo de sua Jornada Sagrada.

Se refletirem perceberão oposições em seus círculos mais próximos tanto na esfera social bem como na profissional e familiar muitas vezes. A pessoa é testada em sua natureza íntima , ou seja em sua estrutura psicológica e a qualidade de sua reação é que fará diferença. Não é um caminho dos politicamente corretos pois não reside no mesmo ( o Caminho ) a hipocrisia.

Não é o caminho da falta de auto-respeito pois o auto-respeito é a consciência de que somos seres humanos e como tal temos que perceber o que somos e não perder a honra.

Não é o caminho da soberba pois a soberba tem como filhos a proposta de humilhar o próximo , a tirania , a mentira , o desvario emocional e o medo. Todos os soberbos são medrosos porque sempre estão à espreita de alguém perceber suas fraquezas o que sempre ocorre.
Não é o caminho dos que ficam em cima do muro , ou seja , são mornos , politicamente corretos. Não são nem quente e nem frio. Os mornos eu vomito ( CRISTO).

De qualquer forma há Ataques Astrais através de forças elementais criadas à partir de mentes desequilibradas ( que aparentemente são sãs). Estas forças elementais desvairadas , em um momento de fraqueza e todos nós temos tais momentos – o que é normal – estas forças se alojam no corpo astral da pessoa  que está no Caminho e neste ponto inicia-se a confusão.

Estas forças geram distúrbios por vezes na sensibilidade do Discípulo em Prova e exteriorizam-se para a vida externa chegando ao ponto de poder afetar várias áreas da vida. Um sinal característico e simples até , são pessoas que vitimadas por estas forças notam que suas roupas desgastam-se rapidamente.

Outro sinal , em função da sensibilidade aumentada poderão surgir distúrbios neuro-vegetativos , pois o corpo astral relaciona-se diretamente com o sistema nervoso parassimpático. Um tratamento clínico é indicado em função do stress gerado pela sensibilidade aguçada mas eclipsada por energias adversas. No futuro esta sensibilidade uma vez treinada será uma grande aliada.

Inveja , rancor , são forças desvirtuadas sob o ponto de vista psicológico e que criam elementais artificiais que geram problemas. Acontece todo dia.

Você detecta o caráter da pessoa nas pequenas coisas e em sua fala , principalmente se fala muito sobre terceiros. Fique atento pois esta pessoa mal falará de você também. Pessoas assim , que na realidade são fracas de caráter são instrumentos ou criadouros de energias desvirtuadas. Imaginem como está os patamares mais baixos do plano astral do planeta- uma mixórdia , porem uma das tarefas do Discípulo será purificar este plano e até servir de força redentora .

Atentem para seus familiares pois muitos podem servir de alvo quando estas energias desvirtuadas não conseguem atingir o alvo principal. Amem suas famílias , embora em muitas delas possam haver discórdia e sempre foi assim , cabe ao Discípulo entender e ainda recriar um ambiente forte. Buscou e encontrou , bateu à porta do Templo e a mesma abriu-se , pediu e recebeu e ...chega o momento de retificar.

Um Discípulo inicia seu processo em sua família e ao mesmo tempo colabora na medida de suas possibilidades ao aperfeiçoamento do Mundo e isto é uma Honra.


Quem lida com assuntos de cunho espiritual e é egoísta , dissimulado puxa para si uma horda de sofrimentos . É só observar.

Quem poderá ajudar o Discípulo em Prova?

O seu ATMA ! ATMA é uma palavra de origem sânscrita que significa o Sopro de Vida – A Monada , O Espírito ( São Paulo ) , O EH HE IE da Qabbalah – O Eu Sou.

ATMA é o EU SUPERIOR – O CHRESTOS ( grego) ou o seu Superconsciente ( Psicologia Transpessoal).



O ATMAN é por assim dizer a extensão do Logos ou DEUS.

É o ATMA que configurará as condições positivas à vida do Discípulo na proporção que ele vença , através do entendimento , inteligência , coragem os desafios da vida.

Muitos resgates do destino servem de provas e os mesmos tem por objetivo a preparação e treinamento do Discípulo. Atrairá pessoas de bem que estenderão a mão nas adversidades.

Os Ataques Astrais muitas vezes podem servir de testes para a sagacidade , inteligência , entendimento e coragem.

Um MAHATMA ou Mestre de Sabedoria só entra em contato com o discípulo em prova através de seu ATMA e portanto é importante a pessoa na escuridão de suas provas desérticas da vida ( uma metáfora) perceber seu Eu Superior ou a Divindade que está em seu interior – No meio de Vós ( como afirmado em Missa da Igreja Católica Apostólica Romana ) , ou no simbolismo de Krishna na Batalha de Kurukshetra .



Vemos esta realidade no simbolismo de Osíris. Após a morte de Osíris , Ísis procurou os restos mortais de Osíris e ao encontrá-los ele ( Osíris ) , tornou à vida. Em outras palavras o Amor do Eu Superior resgata da morte simbólica , da vida sem sentido , do deserto emocional que todo Discípulo em Prova passa.

Vemos a mesma simbologia na Ressurreição de Lázaro através do CRISTO. Muitas vezes o Discípulo está como Lázaro , não morto e sim adormecido , como o próprio CRISTO afirmou e pelo CRISTO torna à vida. Não obstante a história ser real o simbolismo associa-se com o Arquétipo.

No Caminho do Discipulado estamos como Lázaro e nosso Self , ATMA , Eu Superior , após o entendimento real os desafios da vida , resgata-nos.

À partir desta ação , enfrentaremos os vendilhões do Templo , nossos condicionamentos e até os novos desafios , como muitos políticos que em nome do povo vendem o povo , em troca de uma felicidade pessoal que sempre se converte em sabor amargo para eles.

O Discípulo deve tornar-se um Agente da Transformação Social. Libertar as pessoas do julgo de falsos políticos , Aperfeiçoar os Sistemas Sociais , Combater a Tirania , a Ignorância, o Fanatismo.


Uma pessoa dessas quando percebe sua Missão , seu Sentido de Vida , recebe uma força incomum ; reinventa sua vida pessoal para melhor, e modifica Realidades. Provoca um Salto quântico nas Consciências.

Nunca está só , mesmo que sinta o contrário , pois se é nobre de coração se alinha magneticamente à proteção dos MAHATMAS ( Mestres) e quando os Mestres cismam ( figura de linguagem) de defender O Discípulo Sincero  , aí a coisa engrossa para quem lhe quer mal. Os Mestres não abandonam seus afilhados no meio do caminho ou da batalha pois os Mestres são Os Justos.


Seu conjunto áurico formado pelos seus Corpos : mental , astral , etérico , ficam energizados pelo reequilíbrio de seus chakras, reequilíbrio este proporcionado por seu ATMA.

O Chakras :

Coronário recebe o influxo do seu ATMA ( DEUS)
O Frontal abre-lhe a  Discernimento
O Laríngeo fortalecerá sua mente e cérebro e isso gera Inteligência Criativa.
O Cardíaco capacitará a pessoa a perceber as reais necessidades de seu próximo.
O Plexo Solar o deixará imune às influencias negativas
O esplênico aumentará sua vitalidade.
O Básico lhe dará força para Viver e Vencer.

Uma Verdadeira Armadura contra as forças e ataques astrais será formada e mais transmutará as forças que virão em direção ao Discípulo .

Tudo isto é a Força , Sabedoria e Beleza do  Cristo Interior. 

Há especulações conquanto à realidade da existencia do Cristo; isto é um absurdo e a Arqueologia , a cada dia , desvenda que ele de fato existiu e para mim como para muitos, bilhões ,  Ele Existe.

Cristo é um ser indefinível para a mente humana. Só podemos sentir seus ensinamentos e seus resultados infalíveis. Cristo deu um impulso considerável à evolução humana e quem percebe isso , muito fará , terá forças para Vencer seus desafios e cooperar para o engrandecimento da alma da Humanidade.  É inquestionável pois a Verdade é Tudo o que dá Certo!

A experiencia de perceber o Cristo é individual e inicia-se à partir da percepção da existencia do Cristo Interior , nossa consciencia superior   ,  Emanuel , que significa DEUS em nós. Esta condição de Alma e de ser  poderá ser despertada , através da força do Cristo. A frase : Cristo em nós é Esperança e Glória , tem sentido e caminhos infinitos. 

O Cristo é encontrado no Interior de cada um de Nós e não fora 

Ele , o Cristo já firmou : se falarem que eu estou lá ou em outro lugar , não vá .

Importante : este Blog tem por objetivo instigar e apontar que o Pensamento Sistemico é o fator importante para os processos em todas as áreas da vida neste século ( XXI) .



Ricardo Maffia




domingo, 13 de novembro de 2016

To Light a Thousand Lamps by Grace F. Knoche ( Preview).Copyright © by Theosophical University Press. ( TS PASADENA- US) All rights reserved.







The Daily Initiation

Every people has borne the sacred burden of the Divine in its deepest heart. How strange, with this wondrous heritage, that we should ever feel "widowed of the presence of the gods," as though the link with our divine source had become frayed, no longer assured. We are not the first civilization to feel lost and bewildered, nor will we be the last, but this does not mean there is no remedy. Help has always been within our grasp: to ally our whole being with the building energies of the universe and to refuse to strengthen by default — certainly never by design — the destructive forces that are ever alert to attack the irresolute soul. Still, we must persevere, for once we make the choice, all the "devils" in the underworld of our nature will seemingly be let loose to test the integrity of our resolve. The more in earnest we are, the more subtle and persistent the resistance — not instigated by others, but by our own higher self.

There is nothing mysterious about this. Probably everyone has had the experience that when we determine to alter our habitual ways of thinking, everything and everybody appear to conspire against us. This is inevitable, for intensity of aspiration challenges the gods who are "jealous" of us humans who venture unprepared into their domain. Only those who have become near to godlike may enter. And since the gods are in a profound sense ourselves, the response to our importunate demands may be a release upon us of an avalanche of unexpended karma from past lives. This could be shattering to the personal self, but not to the part of us that knows deep within that we have longed to be tested to the limit of our endurance.

William Q. Judge uses the cryptic phrase "karmic stamina" in connection with aspirants who may find themselves momentarily in "a psychic whirl, or a vortex of occultism" into which others also may be drawn, and where the "germs for good or ill ripen with activity." (Letters That Have Helped Me 1:20-1) The outcome will depend not only on our constancy of will and selflessness of motive, but also upon our reserve of moral and spiritual endurance, our inbuilt stamina. The word stamina — from the Latin for "warp, thread, fiber" — is fitting here, for the warp of lengthwise threads on a loom is usually of stouter twist than the weft, as it is the foundation on which the cross threads are woven. The daily encounters and interactions with others and the impingements of events upon us are all karma: the warp represents the outflowing of past experience, while our reactions, being of our choosing, are the weft carried by the shuttle of the soul as we weave our present and future on the warp of the past.

All is not hardship and trial. Our inner god may be a stern taskmaster, but it is infinitely just and therefore infinitely compassionate. To be sure, potency of aspiration germinates whatever seeds of inharmony we have sown, but equally does it quicken the seeds of nobility in the character so that we are inwardly sustained and encouraged. In truth, it may shed a flood of light upon our path. Such a resolve finds resonance in our inmost self, and as we return life after life it leads us on and on, to take up the charge anew. Every day, every year, every lifetime, we infuse the ancient resolve with fresh vigor. Katherine Tingley speaks eloquently to this in her Theosophy: The Path of the Mystic:

A vow is an action rising like a star high above the level of the common deeds of life. It is a witness that the outer man has at that moment realized its union with the inner, and the purpose of its existence, . . .

At that moment the radiant path of light is seen with the eye of pure vision, the disciple is reborn, the old life is left behind, he enters a new way. For a moment he feels the touch of a guiding hand ever stretched out to him from the inner chamber. For a moment his ear catches the harmonies of the soul.

All this and more is the experience of those who make this vow with their whole hearts, and as they constantly renew it, and constantly renew their endeavor, the harmonies come again and again, and the clear path is once more beheld.

. . . Each effort carves the path of the next, and in no long time one single moment's silence will bring forth to the disciple's aid the strength of his soul. — pp. 53-4

Such a vow is a knocking at the door of our higher self. If the knock is genuine, the illumination and strength that pour into us can become a transforming influence that may help us to intuit the higher self's intent for our ordinary self. When the motive to serve humanity is fortified by will, our life is taken in hand by our higher self, and we find we are led into situations that test us to the core so that we may prove our worth and the depth of our aspiration — not for self-benefit, but that we may bring light and inspiration to others.

The higher self is our real teacher, our inner buddha. This is a time-honored truth: it places responsibility for growth, for inner advancement, squarely on ourself. We have no one but ourself to blame for our fumbles, no one on whom to shift our burdens. We are our own awakener, our own savior, for we are the steps we must travel and the truth we so long to find. Yet few of us feel adequate to fulfill the demands of our dharma, or self-disciplined enough to meet with equanimity the impact of daily karma. Trust is the key: to trust karma is to trust ourselves and to trust that we have the inner resources to handle whatever befalls. Having made the choice to live mindfully, there can be no turning back. We are not required, however, to take more than one step at a time; this is our protection, for by meeting life's challenges one day at a time we gather strength and sufficient wisdom for the daily need.

Once we grasp the fact that we are the path before us, never again will we know that aching loneliness of despair, for we shall have come in touch, if ever so fleetingly, with our light-source. Should periods of despondency return, they need not take firm hold, for a part of us, having entered into companionship with our higher self, remains en rapport with the larger fraternity of the spirit that touches every aspirant on the path. In proportion as we allow our buddha-nature to illumine our ordinary self will the Tathagata-light, the Christos-sun, irradiate our being and the path ahead. Since we are one humanity, the lighted path of a single individual makes the path of all others that much clearer.

It is a truism that no one can live always on the heights. We are obliged to return to the valleys of daily experience where we still have lessons to learn. But the panorama seen from the heights, short-lived as it may have been, is our rod and staff. It takes courage to allow our higher self to lead us into those circumstances that will bring to fruition old karmic causes whose effects on ourselves and on others must now be met. However, once handled, they will be done with. If at times everything seems at cross-purposes, and every effort we make is countered by opposition, this is to be expected.

The choice we made to pursue the compassionate way is by its very nature and goal an upstream endeavor. It is not a simple thing to go against the current; it demands courage to persist year in and year out along a course that, even if we know deep down is the true path for us, may at times appear quite the contrary to our personal self. Yet when we reflect on it, we are warmed and strengthened by an inner affirmation that we couldn't have asked for a more magnificent opportunity. To be allowed by karma to aid, in however minor a degree, in the compassionate order of the universe: this is to be given a boon that the soul over many lifetimes has silently yearned for.

We learn early that every aspiration must be sustained by self-discipline. Today people are stretching their souls, longing to rise above their ordinary little selves and glimpse a vision of what is beyond and within. Many of us, however, are so filled with our own ideas of what life is all about that we are like the student who came to the Zen monk seeking knowledge. "Teach me, Roshi, what Zen is." The Zen master invited him to tea. He started pouring tea into the teacup, and he poured and poured and poured until the student could stand it no longer and almost shouted: "But the cup is full. Can't you see?" The Roshi quietly said: "That is what your mind is like. You are so filled with your own ideas and opinions that there is no room for even one drop of wisdom. Empty yourself, empty your mind of all your preconceptions, empty your heart and your soul of all unbecoming thoughts and feelings, and you will be filled to abundance."

All of us know what is unworthy of ourselves. Striving to gentle the untamed propensities in our character is a type of purgation, a purification we can go through every day. This is what Paul meant when he said to the people of Corinth, "I die daily" — day after day he sought to be "reborn" interiorly. This is the "daily initiation," of which W. Q. Judge spoke — life itself, with its manifold joys and sorrows. Both have their temptations and trials, good fortune so called being often more difficult to handle than are the day-by-day frustrations and disappointments. The constant demand upon us to choose between the greater and the less, the selfless and the self-centered, brings us face to face with ourselves.

It is a matter of getting back to first principles: we start from within, from our central self. What is our motive? We tend to think of initiation as far removed from everyday happenings, but every time we conquer a weakness, every time we have the courage to see ourselves as we are, we undergo the testing by our higher self of our lesser self; we are proving the mettle of our character. "Fire tests gold, adversity proves strong souls" wrote Seneca, 1st-century AD Roman statesman and philosopher. (Moral Essays, "On Providence," 5, 9) Any form of intense suffering, particularly when self-caused — through weakness of will, emotional instability, or being caught in a vortex of thought beneath our private inner standard — may become an initiatory experience. The word initiation means "beginning," the conscious turning of a new leaf in our Book of Life. To have penetrated the darkness of our individual hell and come up into the light of our radiant self, able to meet its demands, is a kind of initiation.

When we inwardly take a stand, we are forearmed for whatever comes; if we avoid doing so, when faced with really severe challenges we are unprepared to act responsibly. Using the wheel as a metaphor: by living in thought and aspiration as close as we can to the hub of our being, the turning wheel of karma will not crush us; but if we live on the rim or circumference of our lives, we are at risk of being ground down under the karmic wheel. This can and does happen more than is necessary; and it's a cruel thing to witness — and to experience. Nevertheless, we learn invaluable lessons in humility and compassion: not only do we gain immeasurably, but hopefully through it all we become sufficiently sensitized to help others see that if they ascend the radius of their being toward the hub of themselves, they will find guidance, strength, and a light upon their path. One of our noblest opportunities is to give confidence to our fellow humans that, no matter how fragile we may be or think we are, all of us have sufficient power to live our lives in an honorable, thoughtful, and self-disciplined way. We must allow our higher self to take charge of our life's destiny. Is there any greater gift one can offer than assuring another he has what it takes to handle his karma, with head high, regardless of how many times he may be knocked down? We are not alone in our struggles. Everyone has some cross to bear, some weakness of character to overcome; just so everyone has his or her strengths to build on. Simply put: if we have the fortitude to "hang in there" no matter how often we stumble or how far we fall, there is no failure, only triumph.

Copyright © by Theosophical University Press.  ( TS PASADENA- US) All rights reserved.



quinta-feira, 3 de novembro de 2016

Ricardo Maffia : A LUTA PARA SE CONQUISTAR UM DESTINO - Créditos Fotos : NASA



Coerencia - Algo para corajosos . A pessoa se garante nas adversidades. Muitos afirmam que fazem o bem porem este bem é proporcional ao seus interesses. Fazer o bem é por si só um ato de coragem , pois ao mesmo tempo em que se espera um retorno , há a necessidade de estar preparado para o retorno não se realizar. William James afirmou : todo o ser humano necessita ser reconhecido e isto é normal ; a não observancia dessas necessidades e/ou ignorá-las em um ato de suprimí-las conduz a pessoa à neuroses e alienações. Comprometa-se com seu objetivo e se não surgir aceitação ou surgir manipulações , chantagens mas se voce em seu compromisso em atingir seu objetivo não fizer dano a ninguem , ignore quem o julga. Cuide de sua vida muito bem e afaste-se de manipuladores que afirmam querer o seu bem, mesmo que através de atos que parecem o bem, com muito falatório inclusive.



O Desenvolvimento Pessoal nos dias atuais não restringe-se apenas às clássicas Competências e sim a muito mais. Para se  desenvolver as Competências há a necessidade de Avaliação de Competências. Muitas pessoas não se interessam por isso mas neste século é necessário esta avaliação e desenvolvimento. Um trabalho que exige : Conhecimento , Habilidades e Atitudes ; caso contrário os progressos serão apenas pontuais e alguns deles de forma precária. 


Seria a mesma coisa de se tomar um remédio para Transtornos de Ansiedade tendo como idéia que o mesmo resolverá os problemas decorrentes. O ser humano é complexo , o remédio fortalece mas quem tem que dar início à uma transformação importante é a própria pessoa. Isto aplica-se à espiritualidade , a mesma é vista como uma panacéia para tudo , na realidade são orientações que depende de Atitudes com , é claro , muito discernimento. Se não mudou é porque não aprendeu.
 
Existem muitas barreiras no subconsciente , independente de a pessoa ser bem sucedida em algumas áreas da vida e quando fatores externos convergem para a pessoa , alguns desses fatores poderão ser da natureza de complexos psíquicos que residem no subconsciente e o resultado será ações baseadas em impulsos que poderão continuar a comprometer áreas da vida pessoal. Da mesma forma ocorre quando há uma insatisfação conquanto à vida pessoal em relação à suas vivencias sociais; se a mesma é restrita , há o fenômeno de se identificar com temas espiritualistas distorcidos e em um processo inconsciente de fuga da realidade adotar-se atitudes ilusórias; não que não haja missões reais , porem não é como um atacadão e sim os exemplos reais é que atestarão a veracidade da conduta. Poucos querem algo realmente sério e saudável porque tudo o que é sério exige pensar , estudar , disciplina. A maioria tem preguiça esta é a verdade e falta algo básico como feedaback. A falta de iniciativa em pontos básicos , compromete a pessoa em questões de maior abrangência , assim sendo , por mais que se informe sobre regras espiritualistas de Desenvolvimento Pessoal não há progresso algum , repito , independente de realizações em algumas áreas da vida pois a real espiritualidade é abrangente. 

É importante vincular este processo a algo Superior e isto é particular. Não são as Forças e Inteligências Superiores que falham  e sim o modo de vida , com conflitos , sem foco que  fazem com que as vias de manifestação sejam bloqueadas. Muita ansiedade Tóxica cria dispersões e distorções e , assim sendo há uma retro-alimentação de um sistema. Um feedback que trará sempre os mesmos resultados. Tem que se quebrar os velhos Paradigmas e viver de vez uma coerência flexível com suas crenças superiores. Tudo o que foi escrito pelo ser humano tem lá suas limitações e o que importa é a essência da mensagem. Tem que ser dinâmico o processo. Um circuito aberto e com muita vida e dinamismo.



OS AVATARAS :
Hermes Trimegistus , Zoroastro , Confúcio , Platão , Moisés , Krishna , Sidarta Gautama , Maomé , Cristo.
Todos Eles trouxeram ensinamentos e mensagens que em essência são iguais. A apresentação e método que é diferente , alem do mais , seus discípulos pertenciam com Eles em Escolas Iniciáticas. Para o público em geral , seus ensinamentos eram quase que metáforas , porem e este é um porem importante , há momentos longos até em nossas vidas que temos que assimilar as metáforas e isso não é um Indicador de ser mais ou menos evoluído e sim , muito provavelmente é uma fase necessária para completar um processo importante e absolutamente pessoal. 


Um trecho de uma Carta : “Parece pouco a você que o ano anterior tenha sido empregado apenas em seus ‘deveres familiares’? Não; que melhor causa para recompensa, que melhor disciplina que o cumprimento do dever a cada hora e a cada dia? Creia-me, meu ‘aluno’, o homem ou a mulher que é colocado pelo Carma no meio de deveres, sacrifícios e amabilidades pequenos e definidos irá, através do fiel cumprimento deles, erguer-se à dimensão maior do Dever, do Sacrifício e da Caridade para com toda a humanidade. Que melhor caminho, para a iluminação buscada por você, que a vitória diária sobre o Eu, a perseverança apesar da ausência de progresso psíquico visível, o suportar da má-sorte com aquela serena resistência que a transforma em vantagem espiritual - já que o bem e o mal não podem ser medidos por acontecimentos no plano inferior ou físico? Não fique desencorajado porque sua prática cai abaixo das suas expectativas; no entanto, não se satisfaça apenas admitindo isso, já que você reconhece que sua tendência é com demasiada freqüência em direção à indolência mental e moral, inclinando-se mais a avançar à deriva com as correntes da vida que a definir seu próprio rumo direto. Seu progresso espiritual é maior do que você sabe ou pode compreender , e você faz bem em acreditar que este desenvolvimento é em si mesmo mais importante que a compreensão dele pela sua consciência do plano físico.” ( Mahatma Letters  M. and K.H. To A.P. Sinnett ) . 


 
Como tudo é Sistêmico , interligado , cada ação terá um feedback correspondente. Caso não haja uma percepção maior , uma crença profunda no ETERNO fechamos os Caminhos para a Providencia. 

 
Quando pessoas fazem contato com sua fonte profunda de Intenção, descobrem-se às voltas com eventos espantosamentes sincrônicos. A sincronicidade é estar aberto àquilo que deseja acontecer. Este estar aberto tem que ser acompanhado com uma profunda crença no ETERNO. Sincronicidades importantes ocorrem com poucas pessoas na proporção da população global , pois são poucos que realmente estão decididos coerentemente como resultado de uma auto-avaliação a princípio instintiva , para receberem o que necessitam não importando aqui neste texto a natureza da necessidade. 


Coragem , Audácia , Auto-respeito  


Ricardo Maffia



terça-feira, 25 de outubro de 2016

The Extraordinary Book : LETTERS THAT HAVE HELPED ME - William Q. Judge . Credits Art NASA



THEOSOPHICAL UNIVERSITY PRESS© ( PASADENA – US )

Dear Jasper:

There are so many questioners who ask about Chelaship that your letter comes quite apropos to experiences of my own. You say that these applicants must have some answer, and in that I agree with you. And whether they are ready or unready, we must be able to tell them something. But generally they are not ready, nor, indeed, are they willing to take the first simple step which is demanded. I will talk the matter over with you for your future guidance in replying to such questions; perhaps also to clear up my own mind.

The first question a man should ask himself (and by "man" we mean postulants of either sex) is: "When and how did I get a desire to know about chelaship and to become a chela?"; and secondly, "What is a chela, and what chelaship?"

There are many sorts of chelas. There are lay chelas and probationary ones; accepted chelas and those who are trying to fit themselves to be even lay chelas. Any person can constitute himself a lay chela, feeling sure that he may never in this life consciously hear from his guide. Then as to probationary chelas, there is an invariable rule that they go upon seven years' trial. These "trials" do not refer to fixed and stated tests, but to all the events of life and the bearing of the probationer in them. There is no place to which applicants can be referred where their request could be made, because these matters do not relate to places and to officials: this is an affair of the inner nature. We become chelas; we obtain that position in reality because our inner nature is to that extent opened that it can and will take knowledge: we receive the guerdon at the hands of the Law.

In a certain sense every sincere member of the Theosophical Society is in the way of becoming a chela, because the Masters do some of Their work with and for humanity through this Society, selected by Them as Their agent. And as all Their work and aspiration are to the end of helping the race, no one of Their chelas can hope to remain (or become) such, if any selfish desire for personal possessions of spiritual wealth constitutes the motive for trying to be a chela. Such a motive, in the case of one already a chela, acts instantly to throw him out of the ranks, whether he be aware of his loss or not, and in the case of one trying to become a chela it acts as a bar. Nor does a real chela spread the fact that he is such. For this Lodge is not like exoteric societies which depend upon favor or mere outward appearances. It is a real thing with living Spirit -- men at its head, governed by laws that contain within themselves their own executioners, and that do not require a tribunal, nor accusations, nor verdicts, nor any notice whatever.

As a general thing a person of European or American birth has extreme difficulty to contend with. He has no heredity of psychical development to call upon; no known assembly of Masters or Their chelas within reach. His racial difficulties prevent him from easily seeing within himself; he is not introspective by nature. But even he can do much if he purifies his motive, and either naturally possesses or cultivates an ardent and unshakeable faith and devotion. A faith that keeps him a firm believer in the existence of Masters even through years of non-intercourse. They are generous and honest debtors and always repay. How They repay, and when, is not for us to ask. Men may say that this requires as blind devotion as was ever asked by any Church. It does, but it is a blind devotion to Masters who are Truth itself; to Humanity and to yourself, to your own intuitions and ideals. This devotion to an ideal is also founded upon another thing, and that is that a man is hardly ready to be a chela unless he is able to stand alone and uninfluenced by other men or events, for he must stand alone, and he might as well know this at the beginning as at the end.

There are also certain qualifications which he must possess. These are to be found in Man: Fragments of Forgotten History towards the close of the book, so we will not dwell upon them here.

The question of the general fitness of applicants being disposed of, we come to the still more serious point of the relations of Guru and Chela, or Master and Disciple. We want to know what it really is to be a pupil of such a Teacher.

The relation of Guru and Chela is nothing if it is not a spiritual one. Whatever is merely outward, or formal, as the relation established by mere asking and acceptance, is not spiritual, but formal, and is that which arises between teacher and pupil. Yet even this latter is not in any way despicable, because the teacher stands to his pupil, in so far forth as the relation permits, in the same way as the Guru to his chela. It is a difference of degree, but this difference of degree is what constitutes the distinction between the spiritual and the material, for, passing along the different shadings from the grossest materiality to as far as we can go, we find at last that matter merges into spirit. (We are now speaking, of course, about what is commonly called matter, while we well know that in truth the thing thus designated is not really matter, but an enormous illusion which in itself has no existence. The real matter, called mulaprakriti by the Hindus, is an invisible thing or substance of which our matter is a representation. The real matter is what the Hermetists called primordial earth; a, for us, intangible phase of matter. We can easily come to believe that what is usually called matter is not really such, inasmuch as we find clairvoyants and nervous people seeing through thick walls and closed doors. Were this matter, then they could not see through it. But when an ordinary clairvoyant comes face to face with primordial matter, he or she cannot see beyond, but is met by a dead wall more dense than any wall ever built by human hands.)


THEOSOPHICAL UNIVERSITY PRESS© ( PASADENA – US )